fbpx

O que se pode aprender com as pessoas pertencentes às Zonas Azuis, onde a expectativa de vida é mais alta que a média

Ter uma alimentação saudável e praticar exercícios são ações fundamentais para ter longevidade, mas não são só esses os hábitos que contribuem para isso. Os moradores das Zonas Azuis (Blue Zones, em inglês), locais onde a longevidade é grande, devido à boa qualidade de vida, têm ainda outros costumes: trabalham fortemente aspectos sociais, mentais e físicos.

Quem afirma isso é o médico britânico especialista em otimização da saúde, Tim Lebens. Ele estudou pontos em comum de moradores de Okinawa, no Japão; Icaria, na Grécia; Sardenha, na Itália; Nicoya, na Costa Rica; e Loma Linda, nos Estados Unidos. Todos esses lugares têm o título de Blue Zones.

Foi analisado pelo especialista o estilo de vida dessas pessoas. O que ele notou foi que os hábitos delas vão além de alimentar-se bem (com uma dieta rica em verduras, frutas e legumes) e cuidar do corpo pela prática de atividades físicas. Os mais idosos dessas regiões, que são uma verdadeira inspiração, têm muito a ensinar às demais pessoas do globo sobre longevidade.

Veja a seguir oito atitudes para conquistar vida longa e bem-estar identificados por Lebens como hábitos das pessoas pertencentes às Zonas Azuis:

1 – Bons relacionamentos

Segundo o doutor, o homem é um ser social e, às vezes, não se pode negligenciar a importância do sentimento de estar próximo de alguém.

Estar em contato com pessoas saudáveis faz muito bem, pois é contagiante. Fazer no mínimo três amizades íntimas e de boa qualidade dentro desse grupo exerce influência positiva sobre um indivíduo. Estudos comprovam que ter laços sociais fortes pode ajudar na saúde do coração, cérebro e também na imunidade, o que evita doenças crônicas.

Nas Zonas Azuis, há estreitas relações intergeracionais, que hoje não são tão valorizadas devido à correria da rotina. É de extrema importância nutrir relacionamentos e reservar um tempo para passar com crianças pequenas e a geração mais idosa.

2 – Espiritualidade

Esse é um ponto também notável nas comunidades das Zonas Azuis. Quem é agnóstico geralmente encontra uma alternativa para descobrir um propósito na vida, como o trabalho, caridade ou um interesse pessoal que gosta muito ou o fez participar de um núcleo social.

3 – Otimismo

E como contribui para o bom funcionamento do organismo! Para adquirir o hábito de enxergar a vida através de lentes positivas, é legal se valer de técnicas que, com o tempo, ativam o cérebro para pensar assim de forma automática. Isso é o que se chama de neuroplasticidade.

É incentivada a ação de fazer, diariamente, o exercício de pensar em três razões pelas quais se é grato. Não importa se são coisas grandes ou coisas aparentemente simples.

4 – Passar tempo em atividades de jardinagem

Em algumas das Zonas Azuis, elas passaram a ser indicadas como terapêuticas para pessoas que querem se livrar da depressão ou da ansiedade. 

Ter contato com plantas e com a terra traz benefícios à saúde física e mental e, ao mesmo tempo, é uma atividade de baixo impacto físico. Um estudo na Austrália mostrou que pessoas com mais de 60 anos reduzem em 36% o risco de demência se tiverem contato com a jardinagem em seu tempo livre.

5 – Ter a companhia de um pet

Contar com o carinho de um animal de estimação desperta o surgimento do amor incondicional. Não só. O bichano faz com que seu dono tenha uma vida mais ativa e, consequentemente, mais saudável, já que faz mais caminhadas com o pet. De acordo com estudos, faz cair em 50% a possibilidade de ser obeso.

6 – Praticar boas ações

Não só quem recebe a boa ação é beneficiado, mas também quem a fez.  Segundo o médico, os voluntários de ações sociais têm menores chances de apresentar doenças cardíacas, sobrepeso, estresse e insatisfação com a vida.

7 – Descobrir sua“tribo”

Estar junto de pessoas saudáveis com quem se tem algo em comum e que são dignas de confiança traz senso de segurança e pertencimento, o que é muito importante para o ser humano. As pessoas das Zonas Azuis estão sempre em círculos sociais compatíveis com o que são.

8 – Alimentação com comida de verdade

Um ponto em comum dos longevos é seu baixo consumo de produtos industrializados e refinados. Eles prezam por comida fresca, muitas vezes plantadas no jardim de casa, produtos animais de boa qualidade, grãos e leguminosas.

Além disso, suas porções de comida são menores. Eles param de comer antes de estarem completamente saciados.

9 – Movimentação

Nas Zonas Azuis, exercitar-se é algo natural e diário. Nestes locais, o movimento é parte natural da rotina. Não utilizam as comodidades modernas e sim atividades em que é necessário o movimento para fazer algo acontecer.

Que tal praticar essas coisas? 


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *